Assign modules on offcanvas module position to make them visible in the sidebar.

Our school

Tags

Conheça alguns dos principais benefícios do Enem!

1. Entrar na universidade pública com o Enem sem fazer vestibular

O Vestibular em universidades públicas não é fácil. Para entrar em alguns dos cursos mais concorridos, como Medicina, Direito e Engenharia, o candidato precisa praticamente "gabaritar" as provas e ainda torcer para que os outros concorrentes não tenham ido tão bem assim.

Mas o Vestibular não é a única porta de entrada para uma universidade gratuita. Desde 2010, quem faz o Enem pode tentar uma vaga pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), um processo seletivo totalmente informatizado que classifica os candidatos usando unicamente o desempenho nesse Exame.

O Sisu acontece duas vezes por ano, no primeiro e no segundo semestre. Para participar, basta ter feito o Enem no ano imediatamente anterior e ter obtido nota maior do que zero na prova de Redação. As universidades participantes podem estabelecer uma nota mínima para concorrer a cada um dos seus cursos.

As inscrições do Sisu são feitas gratuitamente pela Internet e não há limite de renda ou idade para participar.

2. Ganhar uma bolsa de estudos com o Enem em faculdade particular

O sonho de fazer uma faculdade particular de qualidade como bolsista fica muito mais próximo para quem faz o Enem.

O Programa Universidade para Todos (ProUni) foi criado em 2005 e oferece bolsas de estudos parciais (50%) e integrais (100%) para estudantes brasileiros que ainda não tenham um diploma de nível superior. É um processo seletivo totalmente informatizado que utiliza o desempenho no Enem para classificar os candidatos a uma bolsa em universidade privada.

Para tentar uma bolsa do ProUni é obrigatório ter feito o Enem no ano anterior, com pelo menos 450 pontos nas provas objetivas e nota maior do que zero na redação. O Programa tem ainda alguns requisitos de renda e escolaridade. Podem participar estudantes que fizeram o ensino médio em escolas públicas (ou como bolsistas integrais de escolas privadas) com renda familiar mensal de no máximo três salários mínimos por pessoa.

As inscrições do ProUni são abertas duas vezes por ano, no primeiro e no segundo semestre, e podem ser feitas gratuitamente no site oficial do Programa.

3. Obter financiamento estudantil com o Enem para pagar a faculdade privada

O FIES é o programa de Financiamento Estudantil do Governo Federal. Com ele, é possível financiar entre 50% e 100% das mensalidades da faculdade particular a juros baixos, com taxa de 3,4% ao ano.

O estudante só começa a pagar a dívida um ano e meio depois de formado. Quem concluiu o ensino médio a partir de 2010 precisa ter feito o Enem com desempenho mínimo de 450 pontos nas provas objetivas e nota maior do que zero na redação. A renda familiar máxima para participar é de 20 salários mínimos.

Professores da rede pública que solicitem o FIES para pagar cursos de licenciatura, normal superior e pedagogia não precisam comprovar renda nem fazer o Enem.

4. Outros benefícios do Enem

Acha pouco? Pois o Enem ainda oferece outras vantagens , confira:

-Complementar a nota do vestibular para entrar em algumas universidades públicas.

-Fazer a matrícula em faculdades privadas sem precisar fazer prova. Exemplos de faculdades reconhecidas pelo MEC que aceitam a nota do ENEM:

1. Vírus

Todos os dias, vários vírus são lançados na internet. São malwarestrojans,adwares e vários outros tipos que juntos têm o objetivo de prejudicar o internauta. Seja roubando informações, espionando, ou destruindo o equipamento do usuário, hackers são bastante criativos na hora de espalhar vírus online. 

 

Há diversas maneiras de ficar longe dos vírus de computador e dispositivos móveis. Primeiro, invista em um bom antivírus e o mantenha sempre atualizado. Também é importante prestar atenção em sites e e-mails falsos, além de evitar instalar aplicativos ou programas de procedência duvidosa. Eles podem contaminar o computador com algum tipo de vírus. 

 

2. Roubo de dados e identidade

O roubo de identidade acontece quando alguém frauda perfis dos usuários da web para ter algum tipo de vantagem. Seja para abrir cadastros, realizar transações bancárias ou criar uma conta falsa em perfis sociais, o estrago feito por roubos de dados pode ser bem maior do que o imaginado.

 

Para que isso não aconteça, evite compartilhar as suas informações pessoais como senhas, nomes de usuário, informações bancárias ou números de cartão de crédito em e-mails ou sites duvidosos.  

 

3. Spams e páginas falsas

spam é um tipo de lixo eletrônico enviado por email para muitas pessoas, e geralmente, sem que você tenha pedido ou aceitado. A maioria dos serviços de email oferece uma espécie de filtro antispam, separando o que são mensagens confiáveis e suspeitas. Mesmo assim, alguns spams se “disfarçam” de mensagens confiáveis e acabam caindo na sua caixa de e-mail. E é aí que mora o perigo, pois esse tipo de mensagem carrega sempre algum tipo de ameaça.

 

É o caso também de sites falsos. É comum fraudadores online usarem sites muito parecidos como sites de bancos, do governo ou de marcas famosas, para atrair internautas e roubar informações. 

 

Para evitar esse tipo de golpe, preste bastante atenção em erros de português, endereços eletrônicos que não começam com "https", ou sites e e-mails que te pedem para baixar arquivos com a extensão *.exe, esses arquivos executáveis podem conter vírus. 

 

4. Cyberbullying

De acordo com uma pesquisa do Google, o cyberbullying é o maior perigo da internet. Abusos psicológicos pela web é uma grande realidade. Uma pesquisa realizada pela Intel Security mostrou que a maioria das crianças (66%) já viram práticas de comportamento cruel e intimidação nas mídias sociais, enquanto 21% dos entrevistados disseram já terem sido vítimas de cyberbullying. Meninos e meninas com idades entre 13 e 16 anos são a maior parte das vítimas.

 

É importante monitorar o comportamento das crianças e adolescentes online.  

 

LEIA MAIS
Como escolher a senha perfeita 

Veja 5 dicas para evitar fraude em sistemas de pagamento

Renove seu guarda-roupas na web com segurança

 

5. Pedofilia online

A policia chama atenção para o ambiente hostil que pode ser a internet para crianças. Os predadores online vão além da busca por fotos de crianças, alguns tentam contato direto com as vítimas. Oriente crianças e adolescentes sobre os perigos de falar com pessoas estranhas. 

 

6. Pessoas má intencionadas

 Há também quem se aproxime de duas vítimas online na busca de falsos relacionamentos, que podem ser amorosos ou simples amizades. É preciso prestar atenção ao conhecer novas pessoas, e inclusive pedir prova da veracidade de informações pessoais. Alguns criminosos fazem amizades na web apenas para se aproveitar financeiramente das vítimas. 

 

7. Espionagem

Alguns hackers são capazes de ligar a webcâmera de outros usuários com o objetivo de espionar quem está do outro lado da telinha. Há também que invada redes sociais em busca de informações. É muito importante elevar o nível de privacidade ds suas contas. Já a webcâmera, especialistas recomendam cobrir o dispositivo sempre que não estiver usando.  

 

8. Vazamento de informações íntimas

A dica é sempre a mesma. Tenha muito cuidado ao fazer fotos e vídeos intímos. A maioria desse tipo de imagem é compartilhado por ex-parceiros. Para que ninguém tenha acesso aos seus arquivos no computador ou telefone, é preciso ficar atento aos meios que o criminoso pode usar para entrar em contato com suas coisas. Tenha sempre um bom antivírus instalado em seu dispositivo, e também um firewall atualizado, para impedir a ação dos hackers. 

 

9. Aplicativos falsos

Atualmente os hackers utilizam kits de ferramentas para ajudá-los na missão de invadir dispositivos móveis em uma abordagem conhecida como man-in-the-middle. Este tipo de ataque busca interceptar dados enviados digitalmente e também pode ser executado via aplicativos maliciosos.

 

Facilmente o criminoso consegue obter senhas, números de cartões de crédito, informações de login do Facebook, etc. Uma vez que o hacker recebe toda esta informação, ele pode fazer praticamente qualquer coisa, incluindo a obtenção de uma linha de crédito no nome da vítima, fazer compras com os números dos cartões ou simplesmente alterar as informações das contas de mídias sociais.

 

10. Redes sociais

 As redes sociais são um sucesso da vida moderna e quanto maior a popularidade desses sites, maior o perigo de cair em golpes online praticados por cibercriminosos. Cuidado com a sua senha para que ninguém acesse os seus perfis. É indicado ter prudência no que você divulga, para não atrair criminosos. 

Perguntas Frequentes

1) O que é a reforma do ensino médio?

A reforma do ensino médio é uma mudança na estrutura do sistema atual do ensino médio. Trata-se de um instrumento fundamental para a melhoria da educação no país. Ao propor a flexibilização da grade curricular, o novo modelo permitirá que o estudante escolha a área de conhecimento para aprofundar seus estudos. A nova estrutura terá uma parte que será comum e obrigatória a todas as escolas (Base Nacional Comum Curricular) e outra parte flexível. Com isso, o ensino médio aproximará ainda mais a escola da realidade dos estudantes à luz das novas demandas profissionais do mercado de trabalho. E, sobretudo, permitirá que cada um siga o caminho de suas vocações e sonhos, seja para seguir os estudos no nível superior, seja para entrar no mundo do trabalho.

voltar para o topo


2) Como será o currículo do novo ensino médio?

O currículo do novo ensino médio será norteado pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC), obrigatória e comum a todas as escolas (da educação infantil ao ensino médio). A BNCC definirá as competências e conhecimentos essenciais que deverão ser oferecidos a todos os estudantes na parte comum (1.800 horas), abrangendo as 4 áreas do conhecimento e todos os componentes curriculares do ensino médio definidos na LDB e nas diretrizes curriculares nacionais de educação básica. Por exemplo, a área de ciências humanas compreende história, geografia, sociologia e filosofia. As disciplinas obrigatórias nos 3 anos de ensino médio serão língua portuguesa e matemática. O restante do tempo será dedicado ao aprofundamento acadêmico nas áreas eletivas ou a cursos técnicos, a seguir: I – linguagens e suas tecnologias; II – matemática e suas tecnologias; III – ciências da natureza e suas tecnologias; IV – ciências humanas e sociais aplicadas; V – formação técnica e profissional. Cada estado e o Distrito Federal organizarão os seus currículos considerando a BNCC e as demandas dos jovens, que terão maiores chances de fazer suas escolhas e construir seu projeto de vida.

voltar para o topo


3) Quando começa o novo ensino médio? Já começa agora?

O novo modelo depende ainda da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que está em elaboração e será homologada em 2017. A BNCC será obrigatória e irá nortear os currículos das escolas de ensino médio. Após essa etapa, no primeiro ano letivo subsequente à data de publicação da BNCC, os sistemas de ensino deverão estabelecer um cronograma de implantação das principais alterações da lei e iniciar o processo de implementação, conforme o referido cronograma, a partir do segundo ano letivo.

voltar para o topo


4) O que é a Base Nacional Comum Curricular (BNCC)?

É um conjunto de orientações que deverá nortear os currículos das escolas, redes públicas e privadas de ensino, de todo o Brasil. A Base trará os conhecimentos essenciais, as competências e as aprendizagens pretendidas para crianças e jovens em cada etapa da educação básica em todo país. A BNCC pretende promover a elevação da qualidade do ensino no país por meio de uma referência comum obrigatória para todas as escolas de educação básica, respeitando a autonomia assegurada pela Constituição aos entes federados e às escolas. Para mais informações sobre a BNCC, consulte o site: http://basenacionalcomum.mec.gov.br

voltar para o topo


5) Por que o novo ensino médio foi editado por Medida Provisória?

A edição da Medida Provisória (MP) seguiu rigorosamente as exigências previstas na Constituição Federal. Em primeiro lugar, em decorrência da urgência do problema desse nível de ensino no país, dados do IDEB recém-divulgados mostram uma realidade trágica no ensino médio e retratam a urgência da reforma. Em segundo lugar, em consequência da relevância do tema que se apresenta na medida em que o fracasso do ensino médio brasileiro é um dado da realidade, como demonstram os resultados das avaliações nacionais e internacionais. As propostas da MP são fruto do amplo debate acumulado no país nas últimas décadas, o que permitiu ao governo acelerar a reforma.
- 1998: Grande debate e aprovação das diretrizes do EM de acordo com a nova legislação da LDB de 1996;
- 2002: Seminário Nacional sobre reforma do ensino médio;
- 2007: FUNDEB com a promessa de garantir a universalização do EM;
- 2007: MEC lança o Plano de Ações Articuladas;
- 2009: Novo ENEM;
- 2010: Ensino Médio Inovador;
- 2010: CONSED cria o Grupo de Trabalho da Reforma do Ensino Médio;
- 2012: Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio aprovadas pelo CNE;
- 2013: Projeto de Lei (PL6840/2013);
- 2014: Plano Nacional da Educação (PNE). Meta 3.1: “Institucionalizar programa nacional de renovação do ensino médio, a fim de incentivar práticas pedagógicas com abordagens interdisciplinares estruturadas pela relação entre teoria e prática, por meio de currículos escolares que organizem, de maneira flexível e diversificada, conteúdos obrigatórios e eletivos articulados...”
Portanto, a reforma do ensino médio está sendo discutida há anos. Em 2013, foi apresentado o PL 6840 na Câmara dos Deputados, que também foi amplamente debatido. No entanto, a tramitação do PL no Congresso ficou aquém da urgência da reforma. Vale destacar que diversos projetos e reformas relevantes e urgentes para o país foram editados por Medida Provisória e se tornaram Lei, como por exemplo o Brasil Carinhoso, Mais Médicos, o PNAIC, PROUNI e Royalties do Petróleo para a Educação.

voltar para o topo


6) Como serão implantadas as escolas em tempo integral?

A reforma do ensino médio prevê ainda uma Política de Fomento de Escolas em Tempo Integral, que deverá ocorrer de forma gradual. Está previsto um investimento do Governo Federal de R$ 1,5 bilhão até 2018, correspondendo a R$ 2.000 por aluno/ano e criando 500 mil novas matrículas de tempo integral. O PNE estabelece que, até 2024, o país deva atender, pelo menos, 25% das matrículas. Atualmente, são 386 mil alunos matriculados no ensino médio em tempo integral, o que representa 5% do total. A MP não determina que todas as escolas passem a ter o ensino médio integral.

voltar para o topo


7) Como será a formação técnica e profissional?

A formação técnica e profissional será mais uma alternativa para o aluno. Hoje, se o jovem quiser cursar uma formação técnica de nível médio, ele precisa cursar 2400 horas do ensino médio regular e mais 1200 horas do técnico. O novo ensino médio permitirá que o jovem opte por uma formação técnica profissional dentro da carga horária do ensino médio regular desde que ele continue cursando Português e Matemática até o final. E, ao final dos três anos, ele terá um diploma do ensino médio e um certificado do ensino técnico.

voltar para o topo


8) Profissionais com notório saber poderão dar aula na parte comum do currículo? Como será a formação de professores?

Não. A medida permite que os sistemas de ensino autorizem profissionais com notório saber para ministrar aulas exclusivamente em disciplinas dos cursos técnicos e profissionalizantes, como já acontece hoje no sistema S e na maioria dos países do mundo. A formação de professores se dará da mesma forma como a legislação atual prevê. O professor com licenciatura poderá fazer complementação pedagógica para dar aula de outra disciplina dentro da sua área de conhecimento.

voltar para o topo


9) Como fica educação física, artes, sociologia e filosofia? E língua portuguesa e matemática?

A proposta prevê que serão obrigatórios os estudos e práticas de filosofia, sociologia, educação física e artes no ensino médio. Língua portuguesa e matemática são disciplinas obrigatórias nos três anos de ensino médio independente da área de aprofundamento que o estudante escolher.

voltar para o topo


10) E a língua inglesa? Por que foi escolhida como obrigatória?

Anteriormente, a LDB não trazia a língua inglesa como estudo obrigatório. A reforma torna o inglês obrigatório desde o 6º ano do ensino fundamental e no ensino médio. Os sistemas de ensino poderão ofertar outras línguas estrangeiras se assim desejarem, preferencialmente o espanhol. A língua inglesa é a mais disseminada e a mais ensinada no mundo inteiro.

voltar para o topo


Principais dúvidas dos internautas

1) Sou a favor do novo ensino médio, estudamos coisas "desnecessárias" todos os dias. Gostaria de pedir para introduzirem disciplinas extras como artes e algo relacionado aos esportes.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC.

voltar para o topo


2) Com o projeto do novo ensino médio, o Enem será banido?

A MP que trata da reforma do ensino médio não trata de alteração no Enem.

voltar para o topo


3) Olá! Vou entrar no ensino médio em 2017 e gostaria de saber melhor como que vai funcionar essa formação técnica e profissional?

A implantação do novo ensino médio não deverá acontecer até 2018, pelo menos, já que o mesmo depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado.

voltar para o topo


4) Como vocês esperam que isso funcione, se é de extrema importância sabermos filosofia e sociologia?

A implantação do novo ensino médio depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Dessa forma, a inclusão dos conhecimentos contidos nas áreas de filosofia e sociologia será definida pela BNCC.

voltar para o topo


5) Poderíamos seguir o método de ingresso à universidade como na Argentina? E estudarmos em módulo? Em nosso país faltam médicos - 1,2 médicos por 1.000 habitantes - se por algum tempo facilitar o máximo o ingresso de jovens às universidades, poderíamos concretizar o sonho de vários jovens de serem médicos. Eu apoio a reforma!

Também reconhecemos a importância do acesso ao ensino superior e estamos trabalhando para que seja ampliado, ano após ano. Entendemos que uma boa base durante o ensino médio facilita tal acesso. Esse é um dos motivos que nos levou a propor a reforma do ensino médio. Agradecemos o seu apoio!

voltar para o topo


6) Tenho 26 anos e gostaria de completar o ensino médio. Me encaixaria nesse novo ensino médio?

A implantação do novo ensino médio não deverá acontecer até 2018, pelo menos, já que o mesmo depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado.

voltar para o topo


7) Se a mudança no ensino vem desde 2013, porque continuaram ofertando licenciaturas nas áreas que não estarão na BNCC?

A implantação do novo ensino médio depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado.

voltar para o topo


8) Olá! Gostaria de saber quais os requisitos para fazer parte do novo ensino médio. Eu só tenho o ensino fundamental e quero saber se posso fazer.

A implantação do novo ensino médio não deverá acontecer até 2018, pelo menos, já que o mesmo depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado.

voltar para o topo


9) Como participar do novo ensino médio?

A implantação do novo ensino médio não deverá acontecer até 2018, pelo menos, já que o mesmo depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado.

voltar para o topo


10) O novo plano do ensino médio é para aumentar o IDEB?

A implantação do novo ensino médio depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado. O objetivo é adequar o modelo do ensino médio às reais necessidades dos alunos, dando a eles o protagonismo em sua vida escolar.

voltar para o topo


11) Gostaria de saber quando e onde será a inscrição do novo ensino médio. Gostaria de ter mais informações, por favor.

A implantação do novo ensino médio não deverá acontecer até 2018, pelo menos, já que o mesmo depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado. Depois disso, o aluno poderá optar por matricular-se em uma escola que ofereça o novo ensino médio num formato que melhor o atenda.

voltar para o topo


12) No novo ensino médio já previsto existe também alguma nova estrutura para o nível técnico para dentro das escolas?

No novo ensino médio, a formação técnica e profissional será mais uma alternativa para o aluno. Hoje, se o jovem quiser cursar uma formação técnica de nível médio, ele precisa cursar 2400 horas do ensino médio regular e mais 1200 horas do técnico. O novo ensino médio permitirá que o jovem opte por uma formação técnica profissional dentro da carga horária do ensino médio regular desde que ele continue cursando português e matemática até o final. E, ao final dos três anos, ele terá um diploma do ensino médio e um certificado do ensino técnico.

voltar para o topo


13) Como eu faço o ensino médio?

Para cursar o ensino médio, basta procurar uma escola – da rede pública ou privada – e fazer sua matrícula. Caso sua dúvida seja sobre o novo ensino médio, a implantação do mesmo não deverá acontecer até 2018, pelo menos, já que o novo ensino médio depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado.

voltar para o topo


14) Como essas ênfases seriam feitas? E se o aluno quiser um curso como economia ou engenharia biomédica (que necessitam de conhecimentos aprofundados em mais de uma área)?

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC), da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio, estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários para a formação geral do aluno. O que a reforma traz de inovação é que o cumprimento desta parte comum não poderá exceder metade do total da carga horária do ensino médio e o restante do tempo será composto por diferentes ênfases nas áreas de conhecimento ou de atuação profissional: I – linguagens; II – matemática; III – ciências da natureza; IV – ciências humanas; V – formação técnica e profissional. Cada estado organizará o seu currículo considerando a BNCC e as demandas dos jovens, que terão maiores chances de fazer suas escolhas e construir seu projeto de vida.

voltar para o topo


15) Como vai funcionar esse novo ensino médio?

A implantação do novo ensino médio depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado. A BNCC (da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio) estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários para a formação geral do aluno. O que a reforma traz de inovação é que o cumprimento desta parte comum não poderá exceder metade do total da carga horária do ensino médio e o restante do tempo será composto por diferentes ênfases nas áreas de conhecimento ou de atuação profissional: I – linguagens; II – matemática; III – ciências da natureza; IV – ciências humanas; V – formação técnica e profissional. Cada estado organizará o seu currículo considerando a BNCC e as demandas dos jovens que terão maiores chances de fazer suas escolhas e construir seu projeto de vida.

voltar para o topo


16) Se eu for fazer faculdade de medicina, quando eu for cursar o ensino médio, qual profissão devo fazer, pois medicina não precisa de técnico?

A implantação do novo ensino médio não deverá acontecer até 2018, pelo menos, já que o mesmo depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado.

voltar para o topo


17) Devido as novas mudanças na base curricular, como será a reestrutura do ENEM 2017? Já que algumas matérias seriam de escolha do indivíduo, de acordo com o curso em que desejar, a prova seria medida/calculada de que maneira?

A implantação do novo ensino médio não deverá acontecer até 2018, pelo menos, já que o mesmo depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado.

voltar para o topo


18) Quem tem o segundo ano do ensino médio poderá voltar a estudar e ter os mesmos direitos que os outros que estão cursando o primeiro ano?

A implantação do novo ensino médio não deverá acontecer até 2018, pelo menos, já que o mesmo depende da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários pra a formação geral do aluno. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação, que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Só depois disso, o novo ensino médio poderá ser implementado. Portanto, se você já cursou até o segundo ano do ensino médio, poderá concluir seus estudos normalmente, sem nenhuma alteração nos moldes atuais.

voltar para o topo


19) Como posso me matricular no novo ensino médio?

O novo ensino médio se tornará obrigatório um ano após a publicação da Base Nacional Comum Curricular. A BNCC estabelecerá as competências, os objetivos de aprendizagem e os conhecimentos necessários para a formação geral do aluno. Metade do ensino médio será comum a todos os estudantes, garantindo os conhecimentos básicos de formação geral; na outra parte, os estudantes poderão optar por diferentes ênfases nas cinco áreas de conhecimento, que são: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências sociais e humanas e formação técnica e profissional. A previsão é que, até meados de 2017, a BNCC para o ensino médio seja encaminhada ao Conselho Nacional de Educação que terá de aprová-la para depois ser homologada pelo MEC. Ciclos de debate e seminários envolvendo CONSED, escolas, professores e especialistas deverão ocorrer a partir de outubro deste ano.

Contudo, uma vez que a MP seja aprovada, estados já poderão começar a trabalhar a implantação da flexibilização do ensino médio já em 2017, mantendo o cumprimento das Diretrizes Curriculares do ensino médio em vigor, aprovado em 2011 pelo CNE e homologado pelo MEC em janeiro de 2012.

A Carreira Militar e a Educação

Assim como acontece em muitos países, principalmente no Ocidente, no Brasil o Governo e o comando das Forças Armadas investem muito em Educação.

Aqui no Brasil, dentro da carreira militar, as forças Armadas investem em vários tipos diferentes de formação, indo desde o Ensino Médio até o Nível Superior (faculdades), proporcionando assim uma formação completa pra quem quer seguir a carreira militar.

Confira abaixo, os 3 níveis da carreira militar no Brasil.

Nível 1 da Carreira Militar: As Escolas Preparatórias

O Ensino Médio, dentro do contexto da carreira militar, é representado pelas chamadas Escolas Preparatórias.

Além de concluir o Ensino Médio, quem se forma em uma Escola Preparatória ainda recebe um título de Cadete.

Cada força militar no Brasil,tem as suas próprias Escolas Preparatórias, que estão organizadas da seguinte maneira:

  • Colégios Navais: São as escolas preparatórias da carreira militar da Marinha.
  • Escolas Preparatórias de Cadetes do Exército – ESPCex: São as escolas preparatórias da carreira militar do Exército.
  • Escolas Preparatórias de Cadetes do Ar – Epcar: São as escolas preparatórias da carreira militar da Aeronáutica.

As vagas nestas escolas, consideradas algumas das melhores de todo o Ensino Médio Brasileiro, são muito disputadas.

Além do ensino de qualidade, quem entra na carreira militar através das Escolas Preparatórias recebe  um treinamento militar básico e muito treinamento físico baseado em esportes (natação, futebol, vôlei, etc.).

A carreira militar segue o preceito de que um corpo saudável é tão importante para a educação quanto o ensino em si.

Os cursos nas Escolas Preparatórias são equivalente ao Ensino Médio Civil, e portanto, têm a mesma duração: três anos.

Assim que concluir a Escola Preparatória, o aluno que quiser continuar na carreira militar tem a opção de ser admitido em uma Academia Militar.

Nível 2 da Carreira Militar: As Academias Militares

As Academias Militares, o nível 2 da carreira militar no Brasil, são igualmente disputadas, pois oferecem uma formação técnica para os alunos, possibilitando assim que eles tenham uma profissão.

Além de se formar como profissional e técnico, quem conclui uma Academia Militar ainda recebe um título de Oficial Militar.

As Academias Militares no Brasil, administradas pelas Forças Armadas, estão organizadas da seguinte maneira:

  • Escolas Navais: São as Academias Militares da carreira militar da Marinha.
  • Academia da Força Aérea – AFA: Academia Militar da carreira militar da Aeronáutica.
  • Academia Militar das Agulhas Negras – AMAN: Academia Militar da carreira militar do Exército.
  • Academias Estaduais da Polícia Militar: São as Academias Militares da carreira militar da Polícia Militar.

Nas Academias Militares, o alunos, além do ensino técnico de altíssima qualidade, recebem também um soldo (a remuneração dos militares), alimentação, moradia, vestuário e assistência de saúde gratuita.

Os cursos nas Academias militares duram em média quatro anos e são realizados em regime de internato (o aluno dorme na escola, mas vai pra casa nos finais de semana e feriados .

Para quem quer uma formação superior na área de Engenharia, a carreira militar ainda oferece uma formação de nível 3, as Escolas de Engenharia Militares, no caso IME e ITA.

Nível 3 da Carreira Militar: IME ( Instituto Militar de Engenharia )

 IME ( Instituto Militar de Engenharia )

IME (Instituto Militar de Engenharia) é a escola Superior de Engenharia do Exército Brasileiro.

O IME, criado em 1959, foi o resultado da fusão de 2 institutos de Engenharia do Exército que já existiam na época, a Escola Técnica do Exército e também o Instituto Militar de Tecnologia.

Embora oficialmente o IME seja uma parte da carreira militar, ele aceita Civis (pessoas que fizeram o Ensino Médio normal).

O IME oferece gratuitamente vários cursos de Graduação, Pós-Graduação e Especializações. Ele é considerado uma verdadeira referência no Brasil e no mundo, sendo inclusive a terceira escola de Engenharia mais antiga da Era Moderna.

Além de oferecer uma fortíssima formação em Engenharia, o IME também preserva o seu caráter dentro da carreira militar oferecendo muitas atividades esportivas e militares para a formação dos seus Engenheiros.

Além de oferecer cursos de Engenharia, dentro da carreira militar o IME permite que o aluno chegue até o posto de General de Divisão de Engenharia.

Com a duração de cinco anos cada, o IME oferece os seguintes cursos:

Nível 3 da Carreira Militar: ITA ( Instituto de Tecnologia de Aeronáutica )

ITA ( Instituto Tecnológico da Aeronáutica )

ITA (Instituto de Tecnologia de Aeronáutica) é a escola Superior de Engenharia da Aeronáutica Brasileira.

Assim como aconteceu com o IME, o ITA surgiu a partir da união de várias escolas de Engenharia diferentes da Aeronáutica.

Criado em 1950 pelo alto comando da Aeronáutica para organizar melhor a carreira militar, unificando as escolas, o ITA desde então vem sendo uma grande referência de formação de profissionais da área de Engenharia Aeronáutica (construção de aviões), formando gerações e gerações de projetistas.

Os cursos de Engenharia do ITA estão divididos em 2 fases. Durante o 1° e 2° anos, na primeira fase do curso, os alunos estudam um conteúdo básico e geral de Engenharia, recebendo um salário mínimo, treinamento militar e esportivo básicos.

A partir do 2° ano, o aluno pode optar: seguir o curso do ITA como Civil ou então seguir o curso do ITA dentro da carreira militar.

Os curso de Engenharia para quem faz qualquer uma das duas opções são iguais. A diferença é que quem opta pela carreira militar vai receber instruções e conteúdos extras, tais como aulas de tiro, luta e atividades atléticas mais pesadas. Quem escolher estudar como Civil continua o curso normalmente, só com os estudos, sem a parte física e militar.

Seguindo dentro da carreira militar, ao se formar o aluno recebe, além do diploma de Engenharia, o título de Primeiro-Tenente Engenheiro. Caso opte por continuar ainda mais na carreira militar poderá chegar até o posto de Major-Brigadeiro.

Quem seguir a carreira militar do ITA também poderá optar por trabalhar como engenheiro dentro da própria Aeronáutica, sendo enviado para bases onde irá trabalhar com manutenção de aviões, caças e bombardeiros, teste de armas e também sistemas de defesa, tais como antimísseis ou baterias antiaéreas.

Com a duração de cinco anos cada, o ITA oferece os seguintes cursos: